Translate

quinta-feira, dezembro 01, 2005

Um Pouco de História à Maneira de Confidência

INHARRIME é um lugar privilegiado. Localizado perto do mar, a sua terra vermelha, coberta de manto verde, convida à paz, à bondade e à alegria. Estas e muitas outras são as características deste povo, pelo que se diz que INHAMBANE é “Terra da boa gente”.
Em 2000, vendo a grande necessidade de Educação, e para responder ao pedido da Direcção Provincial de Educação e do Bispo de INHAMBANE, pensávamos criar ali uma escola que desse saber e educação aos meninos e meninas a partir da 5ª classe. Com a ajuda de peritos no assunto elaborámos os planos e apresentámo-los a uma ONG não governamental. Depois de dois anos, essa ONG respondeu-nos que não havia dinheiro para investir na Educação. Eu nessa altura tinha a responsabilidade da Congregação em Moçambique e Angola. A resposta das Organizações deixou-me triste e irritada. Via a quantidade de dinheiro que se gastava em matar no Iraque e não só, mas para dar oportunidades aos jovens através da educação não havia dinheiro!
Foi por isso que em Maio de 2003 lancei a campanha do “saco de Cimento”. Envolvi os amigos e os amigos dos amigos neste desafio de solidariedade. Construiríamos o primeiro bloco de aula com a ajuda de todos. Assim foi. As 5 salas (1º Bloco de salas de aula) que se vêem nas fotografias são a soma dos sacos de cimento dos amigos.
Entretanto, entro em contacto com os médicos de Santo Egídio e os médicos sem Fronteiras e través deles chega-me o grito das crianças órfãs. Algumas das minhas Irmãs, como técnicas de medicina, e envolvidas na luta contra o SIDA trazem para casa os números assustadores das crianças que diariamente ficam no hospital abandonadas. Começaram-se pedidos de adopção à distância para arranjar pelo menos leite para essas crianças, mas nem sempre se encontram famílias onde as deixar.
Depois de reflectirmos sobre o que significa acolher crianças sem ninguém de família (significa ser para elas pai e mãe, irmã e tia... conduzindo-as até à maioridade e dando-lhes a possibilidade de viverem uma vida honesta como cidadãs) aceitámos o desafio.
Eu, terminando o meu mandato de 6 anos como provincial, fiquei responsável pelo projecto: concluir a escola, fazer um centro médico, casa para pessoas voluntárias que queiram colaborar, e o Centro para acolher as 90 meninas órfãs.
Fui para INHARRIME em Fevereiro. Levei na carteira o equivalente a 200 Euros!
No dia 12 de Julho fez-se a bênção da escola e começou-se imediatamente a alfabetização de adultos. Foi o primeiro serviço ao bairro. No quarto livre da nossa casa acolhemos as primeiras 5 meninas. Não temos lugar para mais, mas elas são “os nossos grandes amores...”
Estando ali, as Autoridades locais ofereceram-nos um grande terreno. Cerca de 50 hectares!
Vendo o terreno pensei que não podia meter lá um par de homens com uma enxada...Eram necessários outros meios. Dirigi-me ao Banco Popular de Madrid a pedir um tractor com os respectivos arreios. Os 48.000 Dólares para o tractor foram concedidos.
Uma coisa puxa outra, como se costuma dizer! Esse terreno tem muito mato. Vendo a lenha e sabendo que em INHARRIME não há pão, pensei em construir uma padaria. As crianças do centro serão 90. Os alunos da escola mais de 1.200, os trabalhadores, sem dúvida serão muitos... Dar pão e trabalho, dar pão e casa... Um sonho a bailar na minha cabeça. Pedi um orçamento e a factura pró-forma é de 51.000 Euros para as máquinas. A construção está orçamentada em 42.000 Euros. Creio que com o terreno e a padaria poderemos manter as crianças e a escola sem andarmos sempre de mão estendida.
Aqui fica um pouco daquilo que o meu coração sente, e a minha cabeça pensa.
Como faremos tudo isto? Não sei! Sei apenas que todos juntos faremos muito!!! Tive a experiência da escola.
A conta do projecto está em MAXIXE no nome de Lucília Monteiro Teixeira. – Banco Internacional de Moçambique (BIM) OMZMXXXX 87404858

A todos os que puderem ajudar aqui fica a minha gratidão e o convite para que venham a INHARRIME ver onde e como o vosso dinheiro está a ser investido. Tenho a certeza de que vão gostar.

Com todo o carinho Ir. Lucília Teixeira,

Outubro 2005

6 comentários:

Anónimo disse...

Ainda bem que existe pessoas que abraçam causas tão nobres. Muitos parabéns a todos.
Miguel Louro

Alberto Berta disse...

Olá
Os meus avós foram viver para Inharrime nos anos 30 do sec XX e por ali ficaram até 1974. O meu avô foi enfermeiro, a minha mão foi ali baptisada....eu tenho muitas e ternas recordações dessa vila e gostaria de vos ajudar, mas preciso de certezas (desculpem!). Como posso verificar a vossa organização ?
Alberto Berta

filomena pires disse...

Caro Alberto

Daqui é a Filomena uma das "amigas de Inharrime". Obrigada pelo seu interesse e disponibilidade para pensar conosco na nossa causa.
Como pode ter a certeza? escreva-nos, e nós lhe faremos chegar algumas das provas que temos sobre a obra que estamos a ajudar a criar.
Um beijinho a todos os que visitam o blog mesmo sem deixar comentário.
Filomena Pires

Silvio Vasconcellos disse...

Por caminhos tortuosos cheguei a seu blog e fiquei muito feliz em ver que há pessoas de fibra mundo a fora, com boas intenções em legar um mundo melhor.
Entre tantas manchetes sangrentas nos sítios de internet, TV e jornais, me pergunto por que atitudes como a sua não ganham destaque.

Se me permitir, vou fazer um link as meus blogs e divulgar em comentários seu trabalho e suas necessidades.

Forte abraço do sul do Brasil.

Hanah disse...

Muito linda iniciativa...

E que causas como essa
possam tocar o coração do Mundo....

Acácio disse...

Iniciativa brilhante! Gostaria de conhecer melhor e de forma mais actual o trablaho que desenvolvem. Fui aluno na Escola Caldas Xavier até ao ano lectivo de 1971/72.
Hoje, desempenho funções inspectivas no ME de portugal.
Ao dispôr,
Bom trabalho e parabéns

Acácio de Brito